SUPER LUA

superlua

Não sei se vocês já perceberam mas essa foi a 78ª Super Lua “inédita”, só em 2016. A Super Lua parece aqueles filmes do SBT que eles insistem em dizer que é inédito na televisão brasileira, tipo, vem aí, “Esqueceram de mim”, “Lagoa azul”, “Ghost”.

Aí sempre aparecem os que dizem:

“Mas essa é a Super Mega Lua”.

“Essa é a Ultra Lua”.

“Essa é a Hiper Blaster Power Lua”.

Eles vão mudando o nome pra parecer inédita. Toda semana tem Super Lua e meio que já banalizou o evento. É como se tivesse Copa do Mundo todo ano.

– Vai ver a Super Lua?
– Não.
– Por que?
– Não to muito afim hoje. Vejo depois de amanhã.

A Super Lua parece aquelas celebridades que aparecem bastante mas ninguém liga. Daqui a pouco ta na próxima edição da “A Fazenda” ou aparece atacando de DJ em festas.

Aí tem as notícias “A Super Lua de hoje só acontecerá de novo daqui a 256 anos”. Ou seja, no mês que vem.

Sempre tem alguém que pega a foto da Super Lua no Google e posta como se ela tivesse tirado. Minha vizinha postou uma foto linda da lua, que só ela conseguiu tirar porque o tempo tava uma porcaria.

Toda vez surgem as pessoas que querem aparecer nas redes sociais. A pessoa usa a Super Lua pra mostrar que está viajando pra fora do Brasil.

“Nossa, a Super Lua está linda aqui em Miami”.

Alguém avisa a pessoa que a lua é a mesma em Miami, Itapetininga, Dubai e Diadema. Até na cracolândia teve Super Lua. Aliás, segundo depoimentos, quem tava na cracolândia jura de pé junto que a Super Lua conversou, sorriu, cantou e etc.

Ta bom vai, esquece. Não é igual em qualquer lugar. Em São Paulo por exemplo ela não apareceu porque a cidade não tem estrutura pra receber um evento desse porte.

Quem ficou em São Paulo só conseguiu observar o incrível fenômeno da Super Nuvem. Que assim como a Super Lua, toda semana tem.

Anúncios

IMPRESSORAS

impressora
Existem duas coisas na vida que o ser humano não manda:

1- no coração

2- na impressora

A impressora é igual a um pedreiro, trabalha quando quer.

Todo mundo já odiou uma impressora na vida. Um técnico em informática não liga de arrumar seu computador, desde que o problema não seja a impressora.

– Oi, preciso de uma ajuda.
– Qual o problema, senhora?
– Minha impressora não funciona.

– Que pena, compre outra.

Tenho tanta raiva das impressoras que quando não gosto de uma pessoa, apelido ela de EPSON.

Só quem usa muito uma impressora, percebe que o nome da banda “Inimigos da HP” faz todo sentido. O nome da banda deve ter sido dado por um estagiário de escritório puto da vida.

Tem aquelas impressoras baianas, onde você espera seis dias até ela terminar de imprimir uma folha.

Nunca deixe para imprimir um trabalho na ultima hora, pois se ela não estiver a fim, não vai funcionar. Ai você sai desesperado até uma Lan House, gasta uma grana na impressão e quando volta pra casa, TCHARAMMM, tem seis trabalhos impressos.

Sempre que você pede pra imprimir alguma coisa na casa de alguém, a pessoa arruma uma desculpa pra isso não acontecer. “To sem impressora”, “Minha impressora quebrou”, “Ta sem tinta”.

E você sabe por que? Porque as pessoas tem medo da impressora. Ninguém gosta de incomodar a impressora porque sabe que ela é vingativa. Poucas pessoas sabem mas na linguagem delas, aquele barulho que elas fazem significa: “HAHAHAHA SE FUDEU, OTÁRIO”.

Você clica em imprimir e no meio da impressão percebe que digitou algo errado. Você clica em “cancelar” e a impressora: “HAHAHAHAHAHA IMPOSSÍVEL”, e continua imprimindo suas 50 cópias.

Nunca comemore uma impressão sem que ela esteja 100% finalizada. Ela não gosta de euforia. Se comemorar ela provavelmente vai parar no meio, tipo: “Ah, não quero mais”. Ai vira um inferno, o papel fica preso, você tenta puxar, ele rasga e fica todo cagado.

Se você mora com os seus pais, desista de imprimir algo de madrugada porque além deles, ela vai acordar o bairro todo. A maioria das impressoras faz uns cinco minutos de show do Sepultura antes de começar (ou durante) a impressão.

A impressora além de ter vida própria, tem pacto com o demônio. São três horas da manhã e ela começa a imprimir do nada, um trabalho de faculdade que você não conseguiu imprimir em 2012. E num momento de fúria, você nunca pode dar uns tapas na impressora porque ela pode aparecer com uma faca pra te matar enquanto você dorme.

DIA DO SACI

saci

Desde 2003, em todo dia 31 de Outubro aparecem as discussões entre comemorar o Halloween ou o Dia do Saci. Criaram o Dia do Saci pra “abrasileirar” o negócio, já que o Halloween é uma comemoração gringa, que a gente usa no Brasil por motivos de: é festa? Estamos dentro.

Eu só não sei porque de todo o folclore nacional, escolheram justo o Saci. O Saci não passa nenhuma credibilidade. Ninguém tem medo do Saci. A Mula sem Cabeça e o Lobisomem dão mais medo que o Saci.

Se o Saci aparece do nada na nossa frente e gente da uma rasteira nele e sai correndo, aliás nem precisa correr. A gente acaba tendo pena, porque ele é um menino que não tem uma perna e é viciado em crack. Ou vocês acham que aquele cachimbo é de outra coisa?

Eu gosto do Saci porque ele é malandro. Ele manda na porra toda. Só pra dar um exemplo, o Saci aparecia fumando crack todos os dias de manhã, na Globo, em rede nacional e ninguém falava nada.

Hoje passei pelo centro da cidade e achei muito legal as crianças de rua comemorando o dia do Saci. Todo mundo sentadinho, de toquinha, sem camisa, cada um com o seu cachimbo. Foi lindo.

Nas discussões sempre aparecem os que…

“Ai, mas a gente tem que comemorar o dia do Saci pra valorizar a cultura nacional”.

Sim, inclusive a gente comemora o Natal porque Jesus nasceu em Belém do Pará.

“Ah, mas o Saci faz parte da cultura infantil”.

Sim, o Saci é um ótimo exemplo para a criançada. Mora num sítio que não é dele, é malandro, fuma e vive sacaneando os outros.

Aliás, se a gente parar pra pensar em todas essas características, e ainda incluir que ele é deficiente e gosta da cor vermelha, podemos dizer que o Saci é tipo o Lula.

SE ESTIVESSE VIVO…

ulysses-guimaraes

Até quando as pessoas vão contar a idade das pessoas, mesmo depois delas terem morrido? Esse pensamento me veio hoje de manhã, quando li a seguinte noticia: “Se estivesse vivo hoje, Ulysses Guimarães estaria completando 100 anos de idade”. Galera, na boa, 100 anos? Não estaria não. Vai por mim. Quando o Ulysses Guimarães morreu, ele já era velho. Tinha 76 anos. Se ele levantasse o braço para se espreguiçar, Deus puxava.

O pior é que nunca acharam o corpo do cara. Se estivesse vivo hoje, Ulysses Guimarães seria, sem duvida,  o maior vencedor na brincadeira “esconde-esconde” do universo.

– Ow, estagiário?
– Fala, chefe.
– Se estivesse vivo, hoje seria aniversário de fulano.
– Ta.
– Da uma pesquisada e escreve uma noticia sobre.
– Pode deixar.

“Se fulano estivesse vivo hoje, estaria completando 140 anos de idade”. 

Parece que todo ano eles pegam a mesma noticia, e só acrescentam um numero.

Eu odeio esse tipo de manchete. Uma coisa é a gente contar a idade de uma pessoa que morreu jovem. Acho que até uns 80, 90 anos dá pra contar. Por exemplo, “Se estivesse vivo hoje, Ayrton Senna estaria completando 56 anos de idade”. 56 anos tudo bem, até passa, mas 100 anos eu já acho demais. E se a gente for parar pra pensar, se o Ayrton Senna estivesse vivo hoje, com certeza estaria bem puto por terem o enterrado vivo.

Outra…

“Se estivesse vivo hoje, Renato Russo estaria completando 56 anos de idade”. Beleza, 56 tá tranquilo. Mas a notícia é muito clichê, todo ano é a mesma coisa. Poderiam mudar de vez em quando, tipo: “Se o Renato Russo estivesse vivo hoje, jamais teríamos o Wagner Moura fazendo tributo tosco e desafinado para a Legião Urbana”.

WILLIAM E FÁTIMA

bonner

Primeiramente gostaria de informar que, apesar do assunto, esse não é o blog da Fabíola Reipert ou o site oficial do Nelson Rubens. Segundamente achei muito legal a iniciativa do casal Fátima e William de esperarem acabar a olimpíada para se separarem, fazendo com que a gente tenha assunto novo pra comentar e fazer piada na internet. Eu, por exemplo, não tinha absolutamente nada pra postar aqui.

Muita gente indignada com essa separação. Minha única indignação foi não ter tocado a musica do “Plantão da Globo” para anunciar esse fato histórico.

Feliz está a Sônia Abrão, que agora tem matéria para os próximos três meses.

Baixinho no fone: “se lembra quando a gente, chegou um dia a acreditar, que tudo era pra sempre, sem saber, que o pra sempre, sempre acaba”.

bonner fone

Todo ano tem uma separação bombástica que abala o Brasil:

William e Fátima
Joelma e Chimbinha
Sandy e Junior

Está cada vez mais difícil de acreditar no amor.

Aí a gente vê uns comentários do tipo: “Que pena que o casamento não deu certo”. Pô, como não deu certo? O casal ficou vinte e seis anos casado. Quem não deu certo na vida foi você, que tem vinte e seis anos, trancou a faculdade, é desempregado e mora com os pais.

– Filhotes, vou pra balada com vocês.
– Ah não, mãe.
– Vou sim, quero curtir.
– Mas só vai ter o pessoal da nossa idade.
– Não tem problema, eu fico sentada quietinha.

Aí chega na hora e…

Fatima Bernardes

Com o perdão do trocadilho, quem será que vai ter o primeiro “encontro” com a Fátima Bernardes? Certeza que a internet quebraria no meio se ela convidasse o William Bonner para o programa do dia seguinte.

E o William Waack no WhatsApp: “Oi, Fátima. Vi que você apagou as fotos com o William, queria saber se está tudo bem”.

waak

E qual será o real motivo da separação? Será que foi tipo:

– Fátima, cheguei com as compras.
– Obrigada, amor.
(desempacota as compras)
– Tá tudo certo?
– Tá.
(silêncio)
– Tá mesmo?
– Sim.
– Você está estranha.
– Impressão sua.
– Então tá.
(silêncio)
– Só acho estranho você comprar presunto Perdigão, sabendo que só como Seara.

Os dois ainda postaram no twitter, dizendo que está tudo bem, que o casal continua amigo, e conversando normalmente. Essa é a grande diferença do casal rico, para o casal pobre.  O casal rico fica de boa, não faz muito alarde. O casal pobre sai no tapa, faz barraco, manda indireta no Facebook, vai no “Casos de Família” e etc.

Agora imagina se William e Fátima fossem pobres:

O William:

“E chegamos ao fim de mais um Jornal Nacional. Uma Boa noite! Menos para C-E-R-T-A-S  P-E-S-S-O-A-S”.

Ou a Fátima:

“Bom dia, estamos começando mais um “Encontro com Fátima”. É claro que tem gente que não esta assistindo o programa pois ficou na farra a noite toda e não conseguiu acordar”.

MICHAEL PHELPS

phelps

E pra variar, o Phelps chegou nas olimpíadas e fez a rapa. Foram mais cinco medalhas de ouro e uma de prata. O nadador veio para o Brasil e saiu daqui com mais ouro que os portugueses em 1500.

Passar pelos adversários é fácil. Quero ver passar pela alfândega com tanto ouro na mala.

O cara chega muito na frente dos adversários. Da tempo dele chegar, sair da piscina, fumar uma maconha, tomar uma cerveja e ficar esperando os caras no pódio. Por falar em maconha, teve uma época que ele assumiu ser usuário. Dizem que a droga e o álcool deixam as pessoas mais lesadas e lentas. Se isso é verdade, a medicina deveria dar um tempo na pesquisa da cura do câncer e estudar o Phelps.

O Phelps bem que poderia largar depois dos outros, tipo aquele esquema “café com leite”.

“Gente, vamos fazer assim. Começa a prova aí, vou comer alguma coisa e já vou”.

Eu tenho a impressão de que ultimamente o Phelps só comemora as medalhas de ouro por educação. Acho que as vezes ele até prefere ganhar uma de prata pra dar uma variada.

Imagina a casa do Phelps. Deve ter um quarto só pra guardar as medalhas. Só de olimpíadas são vinte e oito, sendo vinte e três de ouro. Quando ele recebe visita em casa, usa as medalhas de ouro como descanso de copo. As medalhas de prata e bronze ele usa como peso de papel ou calço de mesa.

Certeza de que se colocar todas as medalhas no pescoço e pular na piscina, ele afunda.

Michael Phelps convida os amigos pra jogar Poker e aposta as medalhas ao invés de fichas.

– Orra, Phelps, linda essa medalha, hein?
– Gostou cara? Pode levar.
– Como assim? É uma medalha de ouro.
– Tudo bem, eu tenho mais.

Ou

– Tudo bem, mês que vem tem olimpíadas, ai pego mais umas.

O que o Phelps tem de medalhas, o Mr. Catra tem de filhos.

Eu fico imaginando o cara de Cingapura que ganhou do Phelps nos 100 metros, nado borboleta.

Na chegada, o técnico…

– Cara, você ganhou do Phelps.
– Ganhei nada.
– Ganhou, porra!!
– É nada, para de graça.
– Ganhou mano, o cara ficou em segundo.
– Para de zuar.
– Olha no telão, você ganhou ouro.
– É zuêra dos caras. Esse comitê olímpico é fogo.

Tem cara que é muito mito.

O Phelps nadando.
O Bolt correndo.
E eu, dormindo.

POKEMON GO

pok

Enfim, depois de muito tempo de espera, o Pokemon Go chegou no Brasil. Confesso que pensei em baixar o jogo mas desisti quando soube que eu tinha que sair de casa pra jogar. Eu não uso o aplicativo e também não tenho a mínima vontade de usar, mas também não ligo a mínima se alguém usa. Pra mim é bem simples. Toda vez que aparece uma moda nova eu me pergunto “vai atrapalhar minha vida?, Não. Estão tá ótimo, vou tirar um cochilo”. Eu não julgo quem pega Pokemon porque eu já peguei coisa pior por aí.

Mas sempre tem os que…

“O cara ao invés de estar transando, ta caçando pokemon”.

Sim, e inclusive tenho certeza que você esta fazendo um sexo louco, enquanto posta essa frase indignação. A pessoa reclama que caçar pokemon é coisa de desocupado, mas perde um tempão elaborando um textão pra postar.

Dois tipos de pessoas devem estar lucrando bastante com o jogo. Os donos do aplicativo e os assaltantes.  Você caça um Pokemon e alguém caça seu celular na rua.

Tem muito Pokemon espalhado pelas ruas. Esses dias estava dirigindo meio distraído e sem querer, atropelei alguma coisa. Não deu pra ver se era um motoqueiro, um ciclista ou um Pokemon.

Esses dias eu baixei o PERNILON GO. Aquele jogo real onde a gente tem que caçar os mosquitos pra poder dormir em paz.

O lado bom do jogo é que muita gente sedentária esta saindo de casa atras dos bichinhos. Não deixa de ser uma forma de se exercitar. Veja o exemplo do André Marques, antes e depois do aplicativo..

andre_marques_-_antes_e_depois

Assim como tem os chatos que criticam, também tem os chatos que são viciados no negócio, como os caras que não prestam atenção na rua e trombam em você, ou os idiotas que dirigem jogando. O cara sai na rua manifestando pela redução de velocidade nas grandes avenidas e agora dirige a 30 km/h.

Deus ta vendo que você não vai até a padaria da esquina comprar pão pra sua mãe mas anda mais de 10 km pra tentar caçar um Pokemon raro.

Eu já vi foto de gente que sai fantasiada na rua pra caçar Pokemon.

– Oi, gata.
– Oi.
– Vamos na sua casa hoje?
– Vamos.
– Legal. Deve ter Pokemon pra caramba lá.

O problema do sucesso do jogo é que a gente não pode mexer no celular que a pessoa já acha que a gente ta jogando.

– Ta caçando Pokemon, ai?
– Não.
– Hahaha mano, você ta caçando Pokemon.
– Não to. To vendo e-mail.
– Mano, você ta só nos Pokemon. Não acredito.
– Cara, olha aqui no celular. É e-mail.
– Hahaha, Pokemoooooooon.

O “Ta caçando Pokemon?” veio para substituir o “Só no zap zap, hein?”.