ESTACIONAMENTOS E FLANELINHAS

estacionamento

Você roda um tempão tentando achar uma vaga na rua e nada. O que sobrou pra você? Sim, o estacionamento. Eu só costumo parar num estacionamento (estou falando daqueles pagos, não os de supermercado) em ultimo caso. O estacionamento é um lugar onde você deixa o carro pra alguém pegar ele e estacionar na rua, onde você mesmo poderia ter parado.

Talvez seja por isso que os estacionamentos sejam tão caros.  Você paga R$ 30,00, 20 vai para o estacionamento e 10 vai para o flanelinha que vai “tomar conta” na rua. Flanelinha, mais conhecido como o dono da rua.

– Posso dar uma olhadinha?
– Olha ai, amigo. Ta bonito né? Acabei de lavar.

O problema maior é quando o flanelinha te fala pra parar num lugar proibido e você não sabe.

– Ô patrão, são dez reais.
– Mas tem um multa no meu carro.
– Poxa, que pena. Eu faço por cinco então.

A maioria dos Flanelinhas prefere o pagamento adiantado. Uma maneira legal de testar a honestidade do flanelinha é pegar ele adiantado e na volta perguntar. “Quanto eu te devo?”.  Só pra ver se ele vai dizer que já foi pago ou vai cobrar de novo. E já fiz isso varias vezes e poucos foram honestos.

O Flanelinha gosta de ajudar você a estacionar. Mesmo quando a vaga é grande o suficiente para caber um Titanic.

– Pode vir, vem, vem, vem mais, vem, pode vir, aê, bateu.

É engraçado como a gente sempre tenta dar um jeito de despistar o flanelinha. Vai andando olhando para os lados, fingindo que esta só de passagem, se esconde atrás de um poste e fica esperando uma brecha para entrar no carro. Você se sente uma espécie de fugitivo da polícia. Fugir do flanelinha é a brincadeira de “polícia e ladrão” dos adultos. O problema é que os flanelinhas tem o ouvido muito apurado. Você soa o alerta pra abrir o carro e ele aparece do nada. O desgraçado parece que saiu de um bueiro. Um dia você vai entrar no seu carro e pensar “Ufa, consegui”, mas ele vai aparecer do nada, no banco de trás, “São quinze reais, amigo”.

Voltando aos estacionamentos…

E quando você para num estacionamento e ele aparece riscado ou as coisas simplesmente somem. Fica aquele diz que me diz que e ninguém assume a culpa.

– Amigo, sumiram os quatro pneus do meu carro.
– Não foi aqui, não. Quando o senhor chegou já estava assim.
– Sim, talvez eu não tenha percebido, já que vim voando.

Os manobristas encaixam os carros de um jeito que só eles sabem tirar depois. O estacionamento tem vinte vagas, mas eles fazem questão de colocar cinquenta carros ali dentro. Tem estacionamento que parece um desmanche.

– Qual é o seu carro, amigo?
– É aquele Corsa preto, embaixo do Fiesta prata.

Da a impressão que pra você ser um manobrista, o pré-requisito é saber jogar TETRIS.

– O Senhor possui habilitação?                              
– Não.
– O senhor sabe dirigir?
– Também não.
– O senhor já jogou TETRIS?
– Já.
– E chegou em qual nível?
– Nível dez.
– Está contratado.

Eu gosto quando os manobristas fazem perguntas do tipo:

– Tem algum objeto de valor no seu carro?
– Tem, o carro todo.

Ou

– O seu carro tem algum segredo?
– Olha, tem sim, mas ele não conta pra ninguém.

Anúncios

2 comentários sobre “ESTACIONAMENTOS E FLANELINHAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s